Uivo

Quando um cão uiva não há dúvida alguma de que o uivo do cão cresce na raiz de seus ossos. Cão algum uiva sem ter razão, e estando uma única vez esse cão predisposto e preparado pra tanto, fatalmente e por toda coragem que tem, ele mesmo já admite pra si o tanto que lhe deve doer ter que deixar tantos ossos espalhados e a mostra só pela necessidade de um único uivo. Mas nem por isso esse cão se confunde diante daquilo que o cerca. De algum modo, por mais que seu esqueleto e espírito estejam ambos perdidos, espalhados ou simplesmente não passem de boa parte do que agora jaz integrando-se ao pátio, esse cão ainda que desossado, observa uma peça de roupa branca dependurada no varal, uma pilha de tijolos mofando num quanto qualquer e ainda assim se admira. Quanta coisa me aproxima desse ser canino que obviamente pertenceu a um dono mais do que descuidado e indigno. Coisas que os meus ossos ainda não sentem na pele e que os meus olhos ainda não veem. Se eu percebo o quanto sou míope, mais a miopia me distancia do cão. Se eu acredito que tenho com ele uma afinidade e um parentesco enorme, aí vem o cão e late de volta pra mim. Que cão é este que me compreende e vê com maior profundeza do que a minha própria natureza é capaz de me permitir? Agora mesmo, ao encarar de perto tal cão zarolho, percebi que há um oceano enorme e gelado pesando em sua garganta. E apesar disso, de tão resolvido que este cão desgraçado ainda é, não me empresta qualquer nitidez pra que eu me possa enxergar só um pouco melhor do que ele.

Comentários

Postagens mais visitadas