Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Junho, 2010

Percebe?

Tem coisa que dura apenas um instante na vida
E talvez seja um instante na vida de qualquer um
Mas também é provável que enquanto a coisa acontece
O instante só caiba na vida de um

Eu não vivo sem ter motivo

A vida inteira o que me fez despender energias pra mover minhas entranhas e músculos pra saír do lugar foi o fato de ter uma força externa lancinante agindo, alguma provável espécie de estímulo. Só que na maioria das vezes que tive a necessidade de locomover-me, acredito que o tenha feito exatamente pela total falta disso. E eu sei que isso é normal e que é assim que se vive, que não dá pra ficar se dependurando nas pessoas e coisas por aí e também não dá pra ficar sempre se rastejando e se lamentando por as vezes nada poder possuir. Mais cedo ou mais tarde eu de novo terei que ouvir o acaso dizer que é sozinho e com nada nas mãos que sempre deverei seguir. Ah mas pra que isso tudo então? Eu não vou mais sair do lugar se não tiver pelo menos algum motivo, e também não pode ser que motivo seja sempre não ter pra então precisar procurar, não pode ser que um motivo tenha sempre que ser o vazio que tantas vezes eu sinto, não pode ser que seja sempre só isso. É, na verdade eu não vou para…

Bem perto e também tão distante

Tem muita coisa que brilha no céu que não tem luz própria, não tem calor, que não determina a órbita dos planetas e que assim sendo não deve ser uma estrela. Porém aos nossos olhos tem muita coisa que existe e que ainda assim é brilhante. Muitas vezes o brilho que mais atrai nossos olhos é de um pedaço de rocha, corpo celeste flutuando e vagando sem rumo no espaço e que apenas reflete o brilho do sol, mas esta, ainda sendo uma rocha, é matéria, tem sua essência e carrega consigo informações importantes sobre sua origem, composição, idade e ainda assim pode ser que possua a mesma matéria da qual somos feitos. Deve haver certamente alguma coisa determinando a existência de cada grão de poeira, cada coisa-asteróide imensamente interessante. Então por mais que as vezes não possamos vê-las, lá estão elas. São corpos celestes que seguem cumprindo uma existência solitária, impelidos pela gravidade e a ressonância egoísta que lhes é imposta pelos planetas. Já outros, são corpos que desc…

Rifa-se um coração (Clarice Lispector)

Rifa-se um coração
Rifa-se um coração quase novo.
Um coração idealista.
Um coração como poucos.
Um coração à moda antiga.
Um coração moleque que insiste
em pregar peças no seu usuário.
Rifa-se um coração que na realidade está um
pouco usado, meio calejado, muito machucado
e que teima em alimentar sonhos e, cultivar ilusões.
Um pouco inconseqüente que nunca desiste
de acreditar nas pessoas.
Um leviano e precipitado coração
que acha que Tim Maia
estava certo quando escreveu...
"...não quero dinheiro, eu quero amor sincero,
é isso que eu espero...".
Um idealista...Um verdadeiro sonhador...
Rifa-se um coração que nunca aprende.
Que não endurece, e mantém sempre viva a
esperança de ser feliz, sendo simples e natural.
Um coração insensato que comanda o racional
sendo louco o suficiente para se apaixonar.
Um furioso suicida que vive procurando
relações e emoções verdadeiras.
Rifa-se um coração que insiste em cometer
sempre os mesmos erros.
Esse coração que erra, briga, se expõe.
Perde o juízo por completo em…

De quem é essa merda?

Hollow

Da boca pra fora é possível ser tudo mesmo que a desarmonia entre fala e prática dê um nó na garganta de quem ainda assim acha que não disse tudo.

Canto de acalanto

Olhei-a nos olhos e a abracei com ternura e depois beijando seu o rosto reparei quantos cabelos brancos ela já possuía. Senti então uma tristeza tão grande e profunda por um dia ter decidido deixá-la. Por que o tempo correu tão depressa e por que a gente teve que envelhecer? Por que eu desejei ficar sozinho mesmo cercado de tanto carinho? Por que é que apenas indo pra longe das coisas que amo é que eu pude entender o quanto eu as amo? 
Abracei-a de novo ainda mais forte e ainda mais triste e ela pediu pra eu voltar assim que pudesse. Então eu parti de novo e saí mesmo debaixo de chuva pois estava se tornando cada vez mais difícil ter que partir. E eu confesso que eu quis tanto ficar ao lado dela naquele momento e eu queria cantar uma canção que a fizesse dormir e sonhar, assim como ela um dia também cantou pra mim e me fez sonhar com coisas que já nem me lembro mais. Queria tanto nessa hora que assim como ela eu também adormecesse e como um dia pude eu também sonhasse e aí então nos en…